Categorias
Notícias

Trabalhadoras e trabalhadores da Assistência Social exigem vacinação

Na última quinta-feira (1) houve protesto em frente ao Paço Municipal de Porto Alegre

Na última quinta-feira, 1º de abril, as trabalhadoras e os trabalhadores do Sistema Único da Assistência Social (SUAS) de Porto Alegre, realizaram ato, em frente ao Paço Municipal, para exigir vacinação. Reafirmaram a defesa da vacina como direito para todas e todos e exigiram a inclusão da Assistência Social como prioridade no Plano Municipal de Vacinação. Desde os primeiros decretos federal e municipal, a Política de Assistência Social é considerada essencial e os serviços foram mantidos abertos e em atendimento à população, mas sequer é citada nos Planos de Vacinação.

Durante o ato, foi afirmado que há, em Porto Alegre, 3.291 trabalhadoras/es na Política de Assistência Social, considerando servidores públicos municipais, terceirizados e “parceirizados” (trabalhadoras/es contratados por Organizações da Sociedade Civil – OSCs). Além disso, relataram que trabalhadoras/es foram infectadas, serviços da Assistência Social tiveram surtos de covid-19 e os atendimentos foram temporariamente suspensos.

Uma comissão de cinco trabalhadoras/es, composta pelo FOMTAS (Fórum Municipal de Trabalhadoras/es da Assistência Social), diretoria do SIMPA, CORES FASC SIMPA (Conselho de Representantes) e MNPR (Movimento Nacional da População de Rua), foi recebida por André Flores Coronel, chefe de gabinete de Sebastião Melo, e também por César Emílio Sulzbach, secretário extraordinário de enfrentamento ao coronavírus. Pelos relatos após a reunião, os representantes da prefeitura reconheceram o trabalho da Assistência Social, afirmaram que levariam a questão para a reunião do Conselho Multissetorial para o Enfretamento à Covid-19 (Comue-Covid), mas que dependeria de decisão estadual ou federal. Também foi solicitado que Sebastião Melo priorize a pauta da vacinação na Assistência Social em reunião da Granpal (Consórcio dos Municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre).

Nosso mandato está junto nessa batalha e manifestamos nossa indignação com a exclusão das trabalhadoras/es da Assistência Social dos planos de vacinação. Ainda em janeiro de 2021, encaminhamos Pedido de Providência ao Executivo exigindo a inclusão de todas e todos trabalhadores de políticas públicas essenciais como FASC, DMAE e transporte público no plano municipal de vacinação. É revoltante que trabalhadoras/es que estão diariamente expostos e são essenciais tenham que se arriscar em ato público para garantir vacina.

Seguimos na luta! Nossos direitos já!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.